VOCÊ ESTÁ NO BLOG DA REDE SUAS   Click to listen highlighted text! VOCÊ ESTÁ NO BLOG DA REDE SUAS

Experiência de Lorena/SP

 

TÍTULO: R: Diagnóstico sócio territorial da proteção social básica, CRAS I e CRAS II, da Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social, do Município de Lorena – SP.

 

MUNICÍPIO/UF:  Lorena/SP
PERÍODO DE IMPLANTAÇÃO: EM EXECUÇÃO DESDE MARÇO DE 2015
SECRETARIA: SECRETARIA DE ASSISTENCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL
EQUIPE: VIGILÂNCIA SÓCIO ASSISTENCIAL DE LORENA
E-MAIL: SADS@LORENA.GOV.SP.BR
TELEFONE: (12) 31532-400

 

OBJETIVO

R: A implantação desse diagnóstico nos serviços de proteção Social Básica (CARAS I e II) pretende produzir e organizar dados indicadores informações e analise que visam contribuir para a prevenção e proteção, assim como para a redução de agravos, com o objetivo de detectar e compreender as situações de precarização e de agravamento da vulnerabilidade que afetam o território e os cidadãos, devendo buscar conhecer a realidade especifica das famílias e as condições concreta do lugar onde vivem.

     Conjugar a utilização de dados e informações estatísticas e a criação de formas de apropriação dos conhecimentos produzidos pelas equipes dos serviços sócio assistenciais, que estabelecem relação viva e cotidiana com os subjetivos nos territórios. É preciso conhecer e reconhecer as diferenças e desigualdades das famílias e os distintos graus de vulnerabilidade das quais habitam um mesmo território. A identificação dessas famílias e a devida inclusão nos serviços, programas, projetos ou benefícios do SUAS, materializa grande parte dos objetivos da vigilância sócio assistencial no município de Lorena, tornando assim real a contribuição dessa área para efetivação da proteção social e dos direitos sócio assistenciais, bem como cumprir com os objetivos estruturantes da política de assistência social.

 

FOCO/PÚBLICO-ALVO

R: Esta ação se destina aos atores da política de assistência social no município de Lorena, para facilitar o processo de planejamento e execução dos serviços e propor novas formas e questões para coleta de informações, propor metodologia de construção coletiva do conhecimento nos CRAS, auxiliar os técnicos a conhecerem seus territórios de abrangência, auxiliando no planejamento e na execução das ações para a população, contribuindo para os processos de monitoramento das ações e avaliações dos resultados

 

CONTEXTO

R: O SUAS em Lorena foi criado em 2005 com a implantação de dois CRAS, que se mantem até os dias de hoje.

     No ano de 2013 com a nova administração pública, vem sendo realizados ações de monitoramento da Rede Pública quanto da rede privada da assistência social. Em 2015 foi implantada ações da vigilância sócio assistencial, a partir de então as ações do monitoramento e vigilância da rede sócio assistencial pública passaram a ser realizadas em conjunto, as ações rotineiras no acompanhamento dos serviços realizados pelos dois CRAS, analisando a relação entre processo – resultado – impactos.

     No Ano de 2016 foi elaborado um instrumento para identificar o perfil da população usuária dos CRAS, o registro ocorre mensalmente e sistematizando os dados para conhecimento da população, território.

     Os resultados dos estudos, organizado no final dos anos de 2016 e 2017, possibilita o planejamento das ações para o ano de 2018 e subsidia a gestão SUAS quanto ao Plano de Ação da Assistência Social.

 

METODOLOGIA

R: A vigilância sócia assistencial constitui-se como um dos objetos estruturantes da política de assistência social brasileira da mesma maneira que a P.S.B e a defesa dos direitos, sendo uma função da assistência social (LOAS, PNAS, NOBSUAS 2012).

     A Vigilância sócio assistencial deve apoiar atividades de planejamento organização e execução das ações desenvolvidas pela gestão e pelos serviços bem como de monitoramento e avaliação, produzindo, sistematizando e analisando informações territorialidades.

     O município de Lorena, na microrregião de Guaratinguetá tem uma população estimada de 85.442 (oitenta e cinco mil quatrocentos e quarenta e dois) de acordo com o IBGE, é município de médio porte para a política de assistência social. O município vem se organizando para cumprimento das metas de pacto de aprimoramento do S.U.A.S, bem como implantou a Vigilância Sócio Assistencial (lembrando que na região do Vale do Paraíba e Litoral Norte Lorena foi o 2º município a cumprir a implantação da Vigilância Sócio Assistencial.) Para buscar conhecimento e instrumento de trabalhos e iniciar a Vigilância Sócio Assistencial em Lorena, uma vez que as experiências são inerentes de cada município/gestão, numa análise de adequação entre as necessidades da população e os efeitos dos serviços, visto na perspectiva do território. Visando focar na P.S.B numa busca de realizar a identificação das situações nos territórios especificando sempre que possível os fatores de vulnerabilidade e os grupos familiares ou individuais afetados por tais fatores, a quantificação da população afetada permite estimar a demanda potencial para o serviço ou benefício que devera prover a ação protetiva. O município conta com 54 bairros, a rede de proteção social no município conta com dois CRAS que desenvolvem o serviço.

     Foi implantado nos CRAS I e II um formulário para preenchimento mensal (a fim de identificar a população do CRAS e quem são atendidas nos serviços que o mesmo oferece. Por tanto foram realizadas as seguintes ações:

– Reunião com a coordenação de cada CRAS;

– Reunião com os técnicos de referência;

– Avaliação e monitoramento dos serviços;

– Reunião quinzenal com todos os serviços/equipamentos da SADS;

– Reunião anual com interpretação e analise dos resultados.

     Esses dados e informações podem auxiliar na identificação de famílias com alto grau de vulnerabilidade, permitindo concretizar a função da Vigilância Sócio Assistencial por meio de ações que viabilizem a inclusão destas famílias nos serviços sócio assistenciais do SUAS. Um diagnóstico das famílias que chegam no CRAS e que vão fazer uso da Política de Assistência Social no nosso Município, auxiliando a gestão nos planejamentos de suas ações.

 

ENVOLVIDOS/PARTICIPANTES

R: A implantação da vigilância sócio assistencial incluiu todas os atores dessa política no município de Lorena, de forma direta e indiretamente.

     A princípio com as informações de tudo o que é ofertado.

– Censo SUAS;

– SISC (sistema de informações dos serviços de convivência)

– SICON (sistema de condicionalidades)

– Pacto de aprimoramento dos municípios

     Em seguida com o levantamento das demandas

– Diagnostico CRAS I e II

– Cadastro Único

–  IBGE

– SEAD e outros, desenvolvendo estratégias para coletar informações sobre todas as unidades.

     Bem como realizadas diversas capacitações para atores da política de Assistência Social, reuniões periódicas com toda a coordenação de cada serviço, reuniões com os técnicos de referência dos CRAS I e II, participação do em conselhos da Assistência Social e d e outras políticas, monitoramento e avaliação nos serviços públicos e privados.

 

INSUMOS NECESSÁRIOS

R: A Vigilância Sócio Assistencial conta com:

– Um Assistente Social

– Um Auxiliar Administrativo

– Um Supervisor Técnico

– Uma sala com duas mesas, dois computadores, um telefone e uma impressora.

     Os trabalhos foram iniciados com o uso dos instrumentos e fonte de informações para a vigilância sócio assistencial.

– Cadastro nacional do SUAS, o CADSUAS

– CENSO SUAS

– RM.A. dos CRAS

– Cadastro Único e CECAD

– IDV – Sistema de Identificação de domicilio em vulnerabilidade

– Matriz de informações Sociais e Relatórios de informações Sociais (MI – SAGI e RI – SAGI)

– Diagnostico Sócio territorial preenchido pelo CRAS I/II.

 

 RESULTADOS

R: Os formulários para os diagnósticos das famílias que frequentam os CRAS, vêm sendo implantados desde o ano de 2015/2016 com 2.327 pessoas, temos importante comparativo para o ano de 2017 com um número de 3.845 já com estudos e possibilidades para a implantação de um terceiro CRAS para o município, temos hoje um estudo das vulnerabilidades que já nos permite priorizar as metas de trabalho nos planos de assistência social municipal e estadual bem como no plano de ação federal e uma avaliação anual com a equipe de trabalho da SADS que possibilita construir o perfil das famílias e os bairros de maior vulnerabilidade e risco social bem como um diagnóstico sócio territorial embasados nestes números e informações.

 

MODELO DE ATENÇÃO

R: O desafio está na efetivação de uma nova forma de gestão da Política de Assistência Social. Gestão essa que deve ser articulada processual e a partir de uma visão de totalidade. Não se pode mais trabalhar na perspectiva do “eu acho”. A final, quantos direitos estão sendo violados? Qual a incidência de diversas expressões da questão social nos territórios?

     Percebe-se uma infinidade de perguntas que ainda não possuem respostas. A Vigilância Sócio Assistencial permite exatamente esse desvendamento de realidade das cidades, dos bairros. Para isso, precisa partir da realidade do conhecimento dos sujeitos, de suas demandas e dos serviços que são ofertados. Trata-se de um processo complexo e desafiador que depende de inovações conceituais e estruturais.

     São vários os desafios, limitações políticas e administrativas, dificuldade na utilização dos instrumentos disponíveis e outros.

     O ponto de partida e de chegada da Vigilância Sócio Assistencial está na sua travessia cotidiana pela dinâmica da realidade que acontece nos bairros, nos locais de atendimento, nas famílias chamadas de usuários ou beneficiários. A vigilância sócia assistencial não consegue ser realizada como função da política pública, se não estiver conectado com o mundo real da gestão e da prestação de serviços da política de assistência social. Significa, enfim, sanar o descompasso existente entre a importância a que a vigilância sócia assistencial assume na política e as condições reais e operacionais para sua efetivação.

 

DESAFIOS E LIMITAÇÕES

R: O formulário de diagnostico mensal preenchido pelos CRAS é uma forma de coletar dados dos usuários da política e assistência social, traçando um perfil individual, de família e, ao mesmo tempo, com informações territoriais, gerando informações fundamentais, permite também mensurar o nível de conhecimento do usuário sobre os serviços sócio assistenciais com CRAS/CREAS/conselhos, entre outros, mensura a divulgação ampla dos benefícios, serviços, programas e projetos assistenciais e dos critérios para sua concessão, a importância da pró atividade das equipes técnicas na construção de fluxos de informações sobre os territórios alimentando a gestão. Permite produzir informação sobre as demandas da população (encaminhamentos, número de atendimentos, entre outros).

     O uso de informações e do conhecimento é fundamental para o planejamento da gestão. Um exemplo é a decisão do município de Lorena sobre a implantação de um novo CRAS.

     A vigilância sócia assistencial traz novas formas de conhecer a realidade, como pela reconstrução de trajetórias de vida dos usuários da política e pela troca de conhecimento com profissionais que atuam diretamente nos territórios relação que pode ser continua e constante.

 

PRÓXIMOS PASSOS

R: Criar condições técnicas e políticas para o desenvolvimento da capacidade e dos meios de gestão necessário para exercer a função de vigilância com estratégias de avaliação e monitoramento, extensão do diagnostico para a proteção social especial bem como o uso de informações territorialidades e de produtos analíticos produzindo insumos, produtos e resultados capazes de orientar o trabalho das equipes técnicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Click to listen highlighted text!