VOCÊ ESTÁ NO BLOG DA REDE SUAS   Click to listen highlighted text! VOCÊ ESTÁ NO BLOG DA REDE SUAS

Experiência do Estado do Amazonas

TÍTULO: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL NO ESTADO DO AMAZONAS: desafios e potencialidades de monitoramento e apoio técnico à gestão municipal

 

ESTADO:  AM
PERÍODO DE IMPLANTAÇÃO: Período de 2015 à dezembro de 2017
SECRETARIA: Secretaria de Estadual de Assistência Social do estado do Amazonas-SEAS
EQUIPE: Departamento de Gestão do SUAS/DGSuas: Gerência da Vigilância, Informação e Gestão do Trabalho
E-MAIL: dgsuas@seas.am.gov.br;milanereis@hotmail.com
TELEFONE: (92) 99175-3402

 

OBJETIVO

Identificar os desafios e potencialidade da implantação e implementação da vigilância socioassistencial na Secretaria de Estadual de Assistência Social do estado do Amazonas-SEAS, no processo de apoio técnico e assessoramento no Amazonas, realizado no período de 2015 à dezembro de 2017, por meio das visitas de monitoramento por meio dos Departamentos de Gestão do SUAS/DGSUAS/DPSB e DPSE.

 

FOCO/PÚBLICO-ALVO

O público alvo refere-se aos gestores e trabalhadores do Suas.

 

CONTEXTO

O Amazonas é uma das regiões mais complexas do mundo, que não se resume apenas em biodiversidade, mas por uma variedade de povos e culturas, que se distinguem por uma população que possui níveis de pobreza elevada e qualidade de vida muito baixo, cuja origem da pobreza não reside na escassez de recursos, mas também no paradoxo entre a pobreza e a riqueza no estado do Amazonas. Por isso, ressalta-se a importância da Política de Assistência Social na região amazônica, marcada por extensas riquezas e belezas naturais e, ao mesmo tempo, por um quadro de pobreza econômica e miséria social.

Nesta realidade fica expresso que as desigualdades não são apenas sociais, mas territoriais, destacando-se a alta taxa de urbanização, principalmente nos municípios de médio e grande porte e nas metrópoles, os quais passaram a ser produtores e reprodutores de um intenso processo de precarização das condições de vida, da presença crescente do desemprego e do aumento do trabalho informal, sem a devida proteção social, além do aumento da violência, dos fossos e espaços de exclusão social.

Coadunando com esta colocação o Atlas de Vulnerabilidade Social afirma que a melhoria nas condições de prosperidade social não ocorrem de forma homogênea em todo o território nacional e enquanto a maior parte dos municípios do centro-sul do país avança para os níveis mais altos da combinação entre alto desenvolvimento humano e baixa vulnerabilidade social, os municípios do Norte e Nordeste permanecem, em sua maioria, à margem do desenvolvimento enquanto processo capaz de reduzir a vulnerabilidade social (IPEA, 2015).

Este retrato da vulnerabilidade social evidencia a existência de um país polarizado, com realidades, necessidades e prioridades distintas, que devem ser mais profundamente investigadas a fim de superar as desigualdades regionais. Expressão de vulnerabilidade social que está associada à precariedade do trabalho e à fragilidade dos vínculos sociais, resultados do desemprego, da pobreza e da miséria, signos visíveis da desestruturação e instabilidade do mercado de trabalho.

Neste contexto, fica evidente a posição desfavorável da Amazônia brasileira, uma pobreza, em meio à abundância. Outro aspecto que também contribui com o empobrecimento da região é a extração predominante das riquezas naturais que tem refletido diretamente na reprodução da pobreza econômica, exclusão social e degradação ambiental, onde tem sido cenário não só do meio rural, mas também nas cidades. A extração e exploração insustentável dos recursos naturais tem priorizado o lucro imediato e sem considerar culturas locais e dinâmicas naturais que regem os ecossistemas.

A Vigilância Socioassistencial é uma das funções obrigatórias a serem exercidas pelos entes federados, no entanto no Amazonas até o ano de 2015 ainda não havia sido implantada formalmente e o acompanhamento se dava pelo Setor de monitoramento, o qual realizava visitas de apoio técnico, porém não havia uma sistematização e organização dos dados quanto a qualidade da execução municipal dos serviços socioassistenciais. E a equipe da SEAS com a implantação da vigilância vem sistematizando informações por meio das visitas in lócus quanto a realidade das populações mais vulneráveis que permaneciam invisíveis, como a população indígena, ribeirinha, em situação de rua, as pessoas com deficiência e os usuários atendidos nos serviços de acolhimento, também conhecidos como abrigos nos municípios do Amazonas. Além do fato de que o incentivo a implantação da área de vigilância nos municípios contribui para estudos voltados aos riscos e vulnerabilidade nos territórios dos municípios do estado.

 

METODOLOGIA

O mapeamento dos dados e informações se deu a partir de sites oficiais que produzem fontes estatísticas (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome – MDS, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA, etc.), em documentos internos da Secretaria de Estado da Assistência Social – SEAS e em literaturas que propiciaram o desvelamento do material disponibilizado, permitindo transcender a leitura do senso comum. Além da experiência in lócus dos profissionais que realizam a visita técnica aos municípios e os relatórios que retratam os resultados desse acompanhamento, tornando possível a identificação das particularidades de cada território.

Para a elaboração da coleta do material da vigilância, ocorreram reuniões com a equipe técnica da Gerência de Vigilância e da Gerência de Informação do Departamento de Gestão do SUAS, afim de discutir sobre o caminho a ser percorrido. O diálogo e a troca de conhecimento e saberes se constituem em marco referencial para o início do trabalho, pautado nas referências acenadas nas legislações da assistência social em vigor: Lei Orgânica da Assistência Social – LOAS, Lei nº 8.742/93, alterada pela Lei 12.435/2011; Política Nacional de Assistência Social – PNAS/2004; Norma Operacional Básica do Sistema Único da Assistência Social – NOB-SUAS/2012; Norma Operacional Básica de Recursos Humanos do Sistema Único da Assistência Social – NOB-RH/SUAS/2006.

A construção desse trabalho voltado as experiências se retratam o diagnóstico por meio do processo de vigilância e deu-se pela necessidade de se entender o cenário atual da assistência social no Estado, de modo a fundamentar o planejamento das ações a serem priorizadas. As visitas de monitoramento realizadas no período de 2015 a 2017, reúnem aspectos socioeconômicos, ambientais, territoriais e culturais presentes nos municípios do Amazonas, desvelando informações da realidade concreta. O exercício dialético nos permitiu compreender o território em sua totalidade e a partir de suas contradições, favorecendo a identificação de carências, necessidades, problemas, aspirações e a magnitude das mesmas.

Além da análise por meio de documentos e relatórios técnicos da experiência in lócus dos profissionais que realizam a visita aos municípios e que retratam os resultados desse acompanhamento, tornando possível a identificação das particularidades de cada território. O exercício dialético nos permitiu compreender o território em sua totalidade e a partir de suas contradições, favorecendo a identificação de carências, necessidades, problemas, aspirações e a magnitude da vigilância no processo de acompanhamento e monitoramento.

 

ENVOLVIDOS/PARTICIPANTES

No processo de apoio técnico e assessoramento no Amazonas, no período de 2015 à dezembro de 2017 com a implantação e implementação da vigilância socioassistencial, a Secretaria de Estadual de Assistência Social-SEAS, disponibiliza 01(um) gerente e 01 (um) técnico de apoio para realizar estudos, pesquisas e diagnóstico na área de vigilância. E durante as visitas de apoio técnico aos 62(sessenta e dois) municípios a Secretaria geralmente, envia in lócus para realizar o monitoramento, 03 (três) profissionais, 01 (um) do Departamentos de Gestão do SUAS/DGSuas, 01 (um) do Departamento de Proteção Social Básica e 01 (um) do Departamento de Proteção Social Especial – DPSE, sendo que em algumas viagens é necessário 01 (um) profissional do Programa Bolsa Família e 01 (um) técnico do Programa Criança Feliz. As passagens e diárias são pagas pela Seas, a fim de garantir o exercício da vigilância junto aos serviços nos equipamentos Cras e Creas, Conselhos de Direito e fórum de justiça, dentre outros.

 

INSUMOS NECESSÁRIOS

A Secretaria de Estadual de Assistência Social-SEAS, disponibiliza as passagens e diárias, a fim de garantir a realização das visitas de apoio técnico aos 62(sessenta e dois) municípios a Secretaria geralmente, envia in lócus para realizar o monitoramento, 03 (três) profissionais, 01 (um) do Departamentos de Gestão do SUAS/DGSUAS, 01 (um) do Departamento de Proteção Social Básica e 01 (um) do Departamento de Proteção Social Especial – DPSE, sendo que em algumas viagens é necessário 01 (um) profissional do Programa Bolsa Família e 01 (um) técnico do Programa Criança Feliz. O recurso utilizado é oriundo do IGDSuas e IGDBF a fim de cumprir o que está previsto na Política de Assistência Social e garantir o exercício da vigilância junto aos serviços nos equipamentos Cras e Creas, Conselhos de Direito e fórum de justiça, dentre outros, realizando estudos, pesquisas e diagnóstico na área de vigilância. Além do apoio da gestão municipal com a viabilização de transporte para a equipe da Seas realizar o monitoramento nos equipamentos socioassistenciais.

 

RESULTADOS

A equipe da SEAS vem trabalhando de acordo com a normatização do SUAS, sinalizando algumas questões fundamentais para o acompanhamento como a Resolução CIT Nº 8, de 14 de julho de 2010, que estabelece fluxos, procedimentos e responsabilidades para o acompanhamento da gestão e dos serviços do Sistema Único de Assistência Social-Suas a fim de que os Estados orientem e apoiem tecnicamente os gestores municipais no aprimoramento de sua capacidade de gestão e organização de seus sistemas.

Assim, a proposta de acompanhamento e apoio técnico foi pensada de forma a viabilizar uma ação planejada e participativa conforme a realidade local e se efetiva na organização e utilização de instrumentais técnicos que permitam visualizar o acompanhamento dos serviços principalmente por meio de visitas aos municípios. E para a realização do trabalho, a equipe de posse das informações, planeja reuniões e oficinas técnicas a gestores, equipes de referências dos CRAS e CREAS, entre outros equipamentos sociais que ofertam serviços; representantes da rede privada e controle social, considerando as orientações de acordo com cada nível de gestão. Enfim, As ações desenvolvidas pela SEAS, junto aos municípios, precisam de aprimoramento, pois a trajetória é longa e o SUAS é um sistema dinâmico, flexível, em construção e as intervenções estão diretamente ligadas ao processo de imersão sistemática na realidade especifica da realidade amazônica. Nesse contexto, a SEAS constantemente vem criando mecanismos que possam fazer a diferença no trabalho realizado a fim de efetivar o padrão de qualidade almejado no SUAS, junto às populações vulneráveis socialmente no estado do Amazonas.

Ressalta-se os resultados das visitas realizadas junto aos municípios por calhas de rio no ano de 2015:

ALTO SOLIMÕES:             Atalaia do Norte, Benjamim Constant, São Paulo de Olivença, Amaturá, Santo Antônio do Içá, Tonantins.

TRIÂNGULO (JUTAÍ, JURUÁ, SOLIMÕES):

Alvarães, Juruá.

PURUS:                Tapauá.

ALTO JURUÁ:    Carauari, Itamarati.

MADEIRA:          Novo Aripuanã.

ALTO RIO NEGRO:           Barcelos.

RIO NEGRO E SOLIMÕES:            Codajás, Novo Airão, Beruri, Anori, Anamã, Rio Preto da Eva.

MÉDIO AMAZONAS:      Maués Itapiranga.

BAIXO AMAZONAS:       Parintins, Urucará, São Sebastião Uatumã.

Quadro 3: Municípios visitados em 2015 por calha de rio.

Fonte: DGSUAS, 2015.

Mesmo diante de dificuldades enfrentadas no sentido de transporte aéreo e/ou fluvial para o deslocamento da equipe técnica as visitas foram realizadas, sendo atendido o objetivo de garantir o apoio técnico aos municípios no sentido do aprimoramento e da qualidade da oferta de programas, projetos, serviços e benefícios. Deste modo, soma um total de 240 (duzentos e quarenta) técnicos orientados nas visitas.

As visitas privilegiaram o Monitoramento e avaliação dos serviços socioassistenciais ofertados nos diferentes equipamentos que compreende a rede SUAS (Centro de Referência da Assistência Social – CRAS; Centro de Referência Especializado da Assistência Social – CREAS; Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos – SCFV; Organizações Não-Governamentais; Conselho de Direito; Delegacias; Secretaria Municipal de Assistência Social), estimando o total de 128 (cento e vinte e oito) equipamentos visitados.

Os municípios que não receberam a visita in loco foram recebidos no DGSuas e/ou o contato via telefone, internet e outros meios de comunicação estabelecidos, visando o acompanhamento quanto, principalmente, o preenchimento dos sistemas da Rede SUAS:  Plano de Ação 2015, Demonstrativo Físico-Financeiro 2014 e Censo SUAS 2015.

Nos municípios visitados em 2016, nota-se que a logística de deslocamento no Estado se dá dentro de uma complexidade tendo em vista as singularidades do território, marcado pela distância e dificuldade de acesso e deslocamento entre os municípios. Assim, visitou-se 11 (onze) municípios: Itamarati, Atalaia do Norte, Anori,Codajás, Guajará ,Ipixuna, Jutaí, Iranduba, São Gabriel da…

 

MODELO DE ATENÇÃO

O apoio técnico realizado no Estado do Amazonas se dá por meio das metas previstas no Plano Decenal de Assistência Social, que estabelece bases de padronização nacional dos serviços e equipamentos físicos do Sistema Único de Assistência Social. E a equipe técnica da SEAS por meio das visitas in lócus vai ao encontro das populações mais vulneráveis que permaneciam invisíveis, como a população ribeirinha, em situação de rua, as pessoas com deficiência e os usuários atendidos nos serviços de acolhimento, também conhecidos como abrigos nos municípios do Amazonas. Além de contribuir para estruturar a gestão nos municípios, também fortalece o Controle Social.

Assim, a SEAS vem trabalhando com a questão do território, as vulnerabilidades e risco pessoal e social, contribuindo na definição, planejamento e execução dos serviços socioassistenciais. Sendo que, cada calha do Amazonas tem suas particularidades e suas demandas específicas, com municípios bem sucedidos e outros com algumas dificuldades na implantação da política de assistência social.

A Vigilância Socioassistencial é uma das funções obrigatórias a serem exercidas pelos entes federados. Essa função está relacionada com o acompanhamento no território das demandas relacionadas aos serviços socioassistenciais, bem como com a qualidade da execução desses serviços.

E a SEAS analisa essas informações a fim de estabelecer novos critérios de oferta de serviços e verificar a qualidade dos que estão sendo cofinanciados. A análise das informações obtidas por meio dos sistemas próprios da assistência social é complementada com as informações disponibilizadas pelos institutos oficiais de pesquisa, como o IBGE, o IPEA , DIEESE e outros órgãos de reconhecida relevância quanto à realização de pesquisas sociais.

Além do acompanhamento da gestão da Vigilância Socioassistencial, também é realizado o acompanhamento orçamentário dos recursos repassados aos entes federados por meio da Gestão da Informação. Um dos critérios utilizados para verificação da oferta do SUAS é a execução orçamentária. A análise da execução orçamentária dos entes passou a ser realizada a partir do ano de 2014 e foi regulamentada pela Portaria nº 36. A criação do mecanismo representa um avanço do ponto de vista do acompanhamento da qualificação da gestão, que fortalece a estratégia de monitoramento quanto a utilização de mecanismo para acompanhamento da eficiência do gasto.

 

DESAFIOS E LIMITAÇÕES

O Estado devido a sua realidade diversa e singular, expressa um conjunto de condições geoespaciais que se impõe enquanto desafio a implantação de políticas públicas. Essa particularidade da Região precisam ser reconhecidas para a criação de estratégias que possam garantir o acesso da população usuária aos serviços e benefícios socioassistenciais. Nesse caso, a materialização da vigilância no que se refere ao diagnóstico da política de assistência social será possível mediante ações descentralizadas, compartilhadas e participativas entre os entes federados e os diferentes sujeitos que compõem a rede SUAS.

Neste sentido, instituiu como compromisso dos Estados a prestação do apoio técnico aos municípios na estruturação e implantação de seus Sistemas Municipais de Assistência Social. Nessa relação, os estados congregam atribuições estratégicas no âmbito do SUAS, as quais devem estar centradas na superação de fragilidades e insuficiências na prestação de serviços e na gestão, promovendo a articulação programática que provoque impacto positivo a fim de reduzir as desigualdades sociais e realizar o monitoramento das ações executadas.

 

PRÓXIMOS PASSOS

A Seas também realiza a vigilância por meio de acompanhamento a distância com a produção e análises dos relatórios e orientações in lócus, assessoramento presencial, apoio técnico mediante visitas previstas em cronograma organizado pelos Departamentos de Gestão do SUAS, Proteção Social Básica e Proteção Social Especial. E destaca-se os resultados dos últimos três anos das vistas realizados aos municípios: 2015 foram 24 (vinte e quatro), no ano de 2016 foram 11(onze) e no ano de 2017 foram 19 (dezenove).

Portanto, pensar na gestão dos Sistemas Locais de Assistência Social é contar com o processo de organização composto por equipe técnica capacitada para o atendimento, locais para acolhida, empoderamento no que diz respeito aos serviços socioassistenciais. Em relação a este último aspecto pode-se ressaltar a necessidade de avanços na estruturação da vigilância socioassistencial nos municípios, tanto no aspecto operacional quanto no mapeamento e coleta das informações.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Click to listen highlighted text!